Cartas de agradecimento - 07/08/2013

1.                  Senhores Missionários Redentoristas e queridos devotos:

Já recebi muitas graças de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, mas a que quero contar neste testemunho é que dois anos e seis meses atrás descobrimos que minha afilhada tinha insuficiência renal crônica.

Com isso começou a batalha no Hospital Pequeno Príncipe e foram dois anos de intenso sofrimento, hemodiálises semanais, uma rotina que a tirou até da escola. Era uma menina de sete aninhos, que não se desenvolvia. Mas esse drama mudou em dezembro de 2012, quando por um milagre ela conseguiu um doador compatível e recebeu o transplante de rim.

Sete meses se passaram e hoje ela se encontra muito bem, voltou à escola, pode comer de tudo e não houve nenhuma rejeição.

Foram muitas novenas pedindo a intercessão da Mãe do Perpétuo Socorro e hoje estou agradecendo aqui para dizer a todos que Nossa Senhora nunca nos desampara, mas o milagre acontece na hora certa, no tempo de Deus e não no nosso.

Uma devota eternamente agradecida.


2.                  Senhores Missionários Redentoristas e queridos devotos:

Um mês atrás eu entrei nesse Santuário, desanimada e sem esperança. Pedi a Nossa Senhora que, se fosse a vontade de Deus, eu passasse no Exame da Ordem. Enquanto rezávamos a oração da consagração, pela primeira vez as palavras Advogada nossa me tocaram profundamente. Então pedi novamente: “Minha Mãe, que eu seja advogada aqui, como a Senhora é nossa advogada no céu.”

Ontem saiu o resultado do exame e meu nome está na lista dos aprovados. Estou no quarto dia da novena e já alcancei esta grande graça.  “Nunca se ouviu dizer, ficasse sem consolo quem invoca Vossa proteção e solicita Vosso apoio.”

Minha Mãe, não tenho palavras para agradecer-lhe! Sei que todos os dias colocarei minhas causas sob Seu manto para que eu tenha a Sua proteção e saiba a melhor forma de agir. Mãe do Perpétuo Socorro, muito obrigada!

Uma devota profundamente agradecida.


3.                  Senhores Missionários Redentoristas e queridos devotos:

Minha nora não podia engravidar. Passado algum tempo, ela começou um tratamento para ovário policístico e, quando ninguém esperava, descobriu que estava grávida de quase cinco meses. Ficamos muito felizes e a gravidez transcorreu normalmente.

Com quarenta semanas de gestação, ela foi internada no Hospital de Clínicas para o tão esperado nascimento. Meu neto nasceu em meio a complicações no parto e acabou aspirando mecônio, precisando, assim, ser reanimado e entubado. E, devido a problemas respiratórios, precisou ser imediatamente encaminhado para a UTI neonatal.

Recorri então a minha Mãezinha do Perpétuo Socorro e, após seis dias, ele recebeu alta do hospital. Ele é o anjo que ilumina nossa vida! Obrigada, Mãe querida!

Uma avó devota eternamente agradecida.


4.                  Senhores Missionários Redentoristas e queridos devotos:

Em 2013 nos mudamos de Curitiba, porém a adaptação ao novo lugar não foi fácil para mim, nem para meu filho. Não fomos bem recebidos na nova cidade e ele não conseguia ter um colega sequer, sofrendo discriminação por parte dos alunos da escola. Eu me desesperava com isso e com a visível tristeza em seu rosto;  ele que sempre foi um menino alegre e cativante. Assim, comecei também eu a entrar em processo de tristeza profunda, um passo para a depressão. Estava longe dos familiares, amigos e sem emprego. Sentia-me sozinha, sem forças e em desespero crescente. Meu esposo se preocupava cada vez mais.

Mas, como a fé em Nossa Senhora do Perpétuo Socorro é sempre maior que qualquer dor, comecei a novena, pedindo Sua intercessão para um retorno a Curitiba, e com muita devoção clamei Sua ajuda e o alívio para o meu coração.

Não demorou muito para eu ser atendida. Retornei com meu filho e meu esposo ficou para cumprir o contrato de trabalho. Mas tenho fé que conseguirá voltar brevemente. Agradeço muito a minha querida Mãe por essa graça alcançada.

Uma devota eternamente agradecida.


5.                  Senhores Missionários Redentoristas e queridos devotos:

Meu pai era alcoólico havia mais de sete anos e já fora internado duas vezes por isso. Estava com a saúde precária, não se alimentava e seu único prazer era beber mais de uma garrafa de cachaça por dia. Percebia-se que ele não tinha mais vontade de viver e isso era muito triste.

Então, como filha que ama seu pai, e com o apoio de meu esposo, nós o trouxemos para morar conosco, com a esperança de que se libertasse do vício e recuperasse sua autoestima. Senti uma vontade enorme de trazê-lo ao Santuário e, quando finalmente viemos, o tema do novenário era Libertação do Alcoolismo.

Temos certeza de que isso não foi coincidência, mas sim obra divina. Meu pai foi melhorando cada vez mais e há quase quatro anos deixou de beber. Está trabalhando e tem realizado várias conquistas. Devo esta grande graça a Deus e à Mãezinha do Perpétuo Socorro, que não o deixam fraquejar. Vivemos um dia após o outro com muita saúde e alegria!

Uma devota eternamente agradecida.

Revista On-line